A febre é um sintoma que nos diz que o nosso corpo está em processo de defesa contra uma infecção, ou seja é um sinal que o corpo está a defender-nos!

 

Nos bebés o fenómeno da febre é um pouco mais complexo, pois o seu centro de termoregulação ainda não está desenvolvido como o nosso. Por isso, muitas vezes o aumento da temperatura no bebé pode ter inúmeras causas e não estar necessariamente associado a um processo infeccioso.

Causas do aumento da temperatura no bebé:

– Sobreaquecimento (bebés muito agasalhados)

– Vacinas

– Erupção dos primeiros dentes

– Infecções (respiratórias e urinárias, são as mais comuns)

 

Como medir a temperatura no bebé?

– Rectal

– Timpânica (no ouvido)

– Axilar

 

Que valores considerar?

Consideramos nos bebés que a temperatura já é alta a partir dos 38ºC. Porém os valores vão variar ligeiramente conforme o local onde fazemos a medição (entre os locais acima referidos existe uma ligeira discrepância de cerca um grau. O método mais aconselhado em bebés mais pequenos é a avaliação rectal.)

 

Tome nota dos valores de alarme
– Temperatura superior a 38ºC para bebés com idade inferior a 3 meses

– Temperatura superior 39ºC se o bebé tiver entre 3 e 6 meses

 

O que fazer se o bebé tiver temperatura igual/superior a 38ºC?

1.Hidratar (se o bebé já iniciou sólidos deve ingerir água; hidratar as muscosas caso apresente ranho ou expectoração)

 

2. Continuar a amamentar (se o bebé ainda não iniciou sólidos deve reforçar a maminha, para além de hidratar reforça as defesas do bebé!)

 

3. Sono reparador (qualquer situação de doença requer tempo de descanso para o corpo se reajustar e recuperar. Nestas alturas o bebé pode dormir mais tempo. Certifique-se que ele está fresco e verifique regularmente se está bem. Porém, não é necessário que a criança esteja na cama, devem até ser estimuladas brincadeiras, evitando o excesso de exercício activo).

 

4. Arrefecimento corporal e ambiente fresco à volta dos 20 graus (basta retirar algumas peças de roupa em excesso e até mesmo uma brincadeira com água ou um banho podem ajudar a baixar a temperatura corporal e assim evitar estados febris prolongados).

 

5. Re-avaliar após algumas horas

6. Administrar medicação antipirética, conforme indicação médica (apesar de serem de venda livre, pode não ser positivo dar ao bebé terapêutica para baixar a febre pois não temos conhecimento sobre a sua causa, se a criança tem alguma alergia ou até mesmo a dosagem.



Não baixou a temperatura, o que fazer?

– Encaminhar para observação médica e perceber existência de outros sintomas como:

1- Pescoço rígido

2- Respiração anormalmente rápida

3- Sonolência anormal

4- Recusa na alimentação

5-Irritabilidade anormal

6-Vómitos e/ou diarreia persistente

7-Consulsão

8- Ataque de tosse

9- Erupção cutânea vermelho-escuro ou púrpura (que não desaparece)

10- Outros sintomas sugestivos de doença

 

DICA: Muitas vezes o bebé não manifesta estes sinais tão evidentes, mas como mães e pais sabemos (porque conhecemos!) que o nosso bebé não está bem.

Se assim for, não espere pelos sinais acima descritos, confie no seu instinto e peça observação médica.

6 replies
  1. Paula coelho
    Paula coelho says:

    Artigo muito interessante, obrigada!
    Deixe-me colocar-lhe uma dúvida: quais as diferenças de valor de medição entre métodos? Eu sempre medi rectal e considero febre a partir dos 38.3. Caso meça na axila (o meu filhote já tem 19 meses), a que valor correspondem os 38.3 da avaliação rectal?
    Muito obrigada

    Reply
  2. Paula coelho
    Paula coelho says:

    Ajudou sim, muito obrigada 🙂
    E qual é considerada a temperatura real?
    Muito obrigada e um bem haja pelo seu trabalho

    Reply
  3. Ana
    Ana says:

    Para evita febre no dia das vacinas, devemos dar supositório ao bebe antes da vacina? Ou apenas se realmente se verificar febre após a toma da vacina? Obrigada

    Reply
    • Carmen Ferreira
      Carmen Ferreira says:

      Olá Ana! Idealmente após a vacina, quando o bebé/criança começar a manifestar sinais de aumento de temperatura e que não consegue resolver de forma não farmacológica 😉
      Contudo, há que adaptar a cada caso e bebé 😉 Tudo a correr bem!

      Reply

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *