Os bebés sentem o calor e o frio como nós, mas perdem o calor mais facilmente e ainda não têm mecanismos para lidar com esta perda, como o adulto.

Desta forma, há que verificar se estão vestidos correctamente, pois quer o sobreaquecimento, quer o frio não são favoráveis.

 


Como reage o bebé perante o frio?
Perante o frio, os bebés são mais reactivos e expressam de imediato o seu descoforto através do choro.
Muitas vezes até no simples acto de mudar a fralda e na fase de despir para ir para o banho.

Como reage o bebé perante o calor?
O bebé pode ficar mais prostrado e adormecido, não dando muitas vezes sinal de que está desconfortável.

 Como saber se o bebé está confortável?
– Verificando no pescoço, atrás da nuca: se estiver transpirado está agasalhado demais (retire uma ou duas peças de roupa);
Se está frio o bebé dá logo sinais deste desconforto até pelo choro, pois são muito reactivos ao frio (como referi anteriormente, até na muda da fralda se queixam…).

– As mãos e os pés estão sempre mais frios, devido a um fenómeno chamado de acrocianose (mãos e pés mais frios e de coloração maus roxa), pois a circulação do bebé dá-se mais a nível central e as extremidades ficam com menos irrigação.
Logo, as mãos não são um bom local para verificar se o bebé tem frio 😉
–  Enquanto recém-nascido a cabeça é um dos locais do corpo que perde mais calor, logo deve utilizar um gorro para o seu bebé recém-nascido.

[As avós podem começar a fazer uns gorros giros!]

– O sobreaquecimento não é favorável, pois é um dos factores descritos em situações de morte súbita e torna os bebés mais prostrados e com menos vigor para ir à mama.
DICA: Pode utilizar a estratégia de despedir e/ou mudar a fralda do bebé antes de ir à mama para o despertar!

– Durante a amamentação o corpo da mãe regula a sua temperatura de forma a aquecer também o bebé, logo não há perigo de o bebé ter frio
Atenção: Deve amamentar num sítio calmo e sem correntes de ar, se o bebé estiver despido.

 

 

 

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *